DICA ANIMADA | Liga da Justiça: Deuses e Monstros

02:28:00 0 Comments


Imagine se o Superman fosse filho de Zod, se a Mulher Maravilha fosse de Nova Gênese, e se outra pessoa tivesse de tornado o Batman. O que sairia como resultado disso é a Liga da Justiça de um universo alternativo criado pelo aclamado Bruce Timm em Liga da Justiça: Deuses e Monstros.

Não temos nossos queridos e carismáticos heróis na forma que conhecemos, mas temos bons e determinados personagens que os representam muito bem, mesmo sendo diferente dos líderes da Liga da Justiça convencional.

Acho melhor avisar antes que, embora haja referências a vários personagens do universo DC convencional, a Liga da Justiça é formada apenas pela trindade principal. Superman, Mulher Maravilha e Batman.


Já na primeira cena com a equipe junta, temos a ideia do quanto é diferente da Liga que estamos acostumados a ver. Um confronto violento e impiedoso, com várias mortes provocadas pelos próprios heróis. Nenhum deles tem receio de matar.

Superman tem uma personalidade forte. Não é aquele cara misericordioso que conhecemos. Mas mesmo sendo filho de Zod, ele não é um homem mau nem corruptível, e age em prol da justiça (além de ter uma roupa legal e um cavanhaque bem maneiro).


Mulher Maravilha não é Diana de Temiscira. Sua representante é Beca, uma guerreira vinda do planeta Nova Gênese. Comparada a Diana, parece ser mais jovem e mais frágil. É mais baixa e menos encorpada, mas é tão determinada quanto. Não é uma diplomata como a Mulher Maravilha original, mas protege a Terra mesmo não sendo seu planeta natal.


O Batman, assim como a Mulher Maravilha, também não é a mesma pessoa que assume o manto do homem morcego na Terra 0. No lugar de Bruce Wayne, temos o jovem Kirk Langstrom (nota do editor: que no universo tradicional é o vilão Morcego Humano). Um ex-estudante que, após experiências com morcegos, se torna uma espécie de vampiro (pode parecer tosco falando dessa forma, mas não é). Apesar de sugar sangue, ser ágil, ter visão sonar e força sobre-humana, o Kirk não poderia deixar de ser o Batman e produziu um bat-uniforme, com direito a asas parecidas com o do Batman do Futuro.


Assim como Bruce Wayne, Kirk é um rapaz sereno e reservado, mas é muito diferente do cavaleiro de Gotham. Ele é amigável e casualmente faz piadas, como qualquer outra pessoa comum.

Não é mostrado como esses heróis se conheceram (com exceção a uma citação sobre o encontro do Batman com o Superman), mas trabalham muito bem em sintonia. Além dos três membros da Liga da Justiça, também temos versões alternativas de personagens secundários, como Jimmy Olsen e Lois Lane, e também de heróis, como Ray Palmer e Victor Stone, mas que nesta estória não são super heróis.

Apesar destas mudanças, temos alguns personagens que aparecem como eram no universo DC convencional. Como o General Zod, e os habitantes dos planetas Apokolips e Nova Gênese.


Um caso a parte, pra mim, foi o Lex Luthor. Além de vermos a evolução do carequismo do careca mais amado da DC (ele aparece cabeludo, calvo, e por fim, careca), Luthor se torna algo maior do que sua versão convencional.

Por fim, Liga da Justiça: Deuses e Monstros é um excelente longa animado. Ótima estória, indispensável não apenas para fãs da DC Comics, mas para fãs de super heróis em geral.

0 Comentários existentes: