DICA CINÉFILA | A Vida em Preto E Branco

07:05:00 2 Comments


Sabe aquelas imagens que circulam pelo facebook sugerindo você imaginar como seria se estivessem no universo da sua série favorita?
Então, imagine isso novamente. Você pode estar pensando como seria legal interagir no mundo da série junto com os personagens. Agora imagine por outro ponto. A série tem um roteiro, e tudo o que acontece está destinado a levar as coisas por um certo rumo. O que sua presença naquele mundo poderia mudar nesse rumo?
Esse é o plot do musical Teen Beach Movie, feito pela Disney em 2013. Mas não é sobre ele que quero falar. Existe outro filme, de 1998, que tem uma premissa inicial um tanto semelhante chamado Pleasantville.

Adaptado no Brasil como "A Vida em Preto E Branco", o filme começa bem Seção da Tarde, com Reese Witherspoon e Tobey Maguire interpretando um casal de irmão com personalidades opostas, e efeitos não muito bons. David é um garoto muito fã de um seriado antigo chamado Pleasantville. A série é em preto e branco e conta a pacata vida dos moradores de Pleasantville, cidade onde tudo é amigável, nada perigoso acontece, pegar na mão é o máximo que um casal faz, e todo o mais que você já conhece de clichês e hábitos conservadores, só que elevados ao patamar dos anos 50 de uma forma mais sistemática. Então David e sua irmã Jennifer acabam parando no universo da série tomando o lugar de dois personagens, com suas roupas, suas vidas e suas cores.


Voltando ao questionamento anterior, já pensou no que a sua presença dentro de uma série pode causar? Não é como viagem no tempo, onde você conhece os fatos e não quer alterar o futuro da humanidade, é algo um tanto mais complexo. Você conhece cada personagem em si, sabe suas falas, seus hábitos, suas ações, conhece as limitações daquele mundo. Nisso, Jennifer, que não conhece a série e não tá nem aí, começa as modificações, e eu não vou entrar mais em spoilers.

Apesar de ter alguns furos e não ser de fato o melhor filme que você verá  (mas é um dos melhores que eu já vi), o longa abre várias questões sobre a vida, limitações, escolhas, cultura, educação, costumes, sexismo, mudanças e várias outras coisas.
A ferida mais pressionada pelo filme é o conservadorismo. Talvez a maior mensagem passada seja se permitir a mudanças, aceitar essas mudanças, e aceitar as mudanças dos outros. Todos somos diferentes e a vida não precisa ser limitada.

Até onde estamos deixando nossa vida sem cor?





Nota: 5 Unis.


2 comentários:

  1. Muito bom! Adorei a premissa, e só o fato de usar o "P&B" para mostrar a vida "Preto no Branco" e o colorido para mostras as infinidades de opções, já gostei sem nem ter assistido! Mais uma vez, excelente post! \o/ #NerdSpeaking #Joe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vlw Jaun! Assiste e conta o que achou pra gente debater.

      Aquele abraço!

      Excluir